missa_itb

Frei Raoul preside pela primeira vez a missa na Paróquia Sant’Ana

 

Na manhã do dia 15 de dezembro de 2021, Frei Raoul Bentes, OFM, presidiu sua primeira missa na cidade de Itaituba – PA. Por coincidência, no mesmo dia em que se comemora o aniversário da “cidade pepita”. A Eucaristia foi celebrada na Catedral de Sant’Ana. Concelebraram Frei Francisco de Assis da Paixão, OFM, administrador paroquial e Pe. Carlos Eduardo, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Bom Remédio. Nessa celebração, além da acolhida do novo presbítero, o povo reunido rendeu ação de graças pelos 165 anos da cidade. Por esse motivo, a liturgia contou com a participação de autoridades públicas, como o prefeito Valmir Clímaco de Aguiar e o governador do estado do Pará, Helder Barbalho. O momento também foi transmitido ao vivo no perfil do Facebook da Paróquia (Pascom Sant’Ana Itb).

 

 

Vivendo o tempo de espera da vinda do Senhor, os presentes foram animados pela alegria do Domingo Gaudete (Domingo da Alegria). Frei Raoul, em sua homilia, agradeceu o acolhimento que teve por parte do povo e também aos que o auxiliaram durante o período em que Frei Manoel Lima, OFM, foi acometido pela Covid-19. Igualmente destacou a importância das questões sociais e o cuidado de cada um com os pobres, que são a opção preferencial de Deus no Evangelho de Jesus Cristo.

 

 

No final da celebração, homenagens foram rendidas à cidade de Itaituba. Em seguida, as autoridades civis foram convidadas a se dirigirem ao público ali presente. O prefeito e o governador destacaram a importância da data para todo o povo itaitubense e reforçaram a necessidade do cuidado na pandemia, fazendo memória dos falecidos em decorrência das complicações da Covid-19.  

Terminada a Celebração Eucarística, foi entoado o Hino de Itaituba e todos seguiram em direção ao Salão Paroquial, preparado para um café da manhã especial. No salão, Frei Raoul, teve a honra de fazer o corte da primeira fatia do bolo de aniversário do Município.

 

 

Frei Raoul e o povo de Itaituba: por uma Igreja de rosto amazônico

Frei Raoul Bentes foi ordenado presbítero da Igreja na Paróquia Santíssimo Sacramento, Santarém – PA, no dia 08 de dezembro de 2021, Solenidade da Imaculada Conceição de Maria Mãe de Deus. A celebração contou com a presença de frades da Custódia São Benedito da Amazônia, outras congregações, o Arcebispo de Santarém, Dom Irineu Roman, CSJ e Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM, Bispo de Juazeiro – BA. A Paróquia Sant’Ana, que faz parte da Rede Franciscana de Paróquias e é o local onde o frade recém ordenado reside e presta serviços, se organizou em uma caravana de 35 pessoas que participaram desse momento muito especial em que a Igreja na Amazônia ganhou mais um ministro ordenado.

A ordenação de um presbítero amazônida é uma graça à Igreja desta região, que necessita de um rosto mais seu, de uma voz mais sua. Frei Raoul continuará residindo em Itaituba onde, agora como presbítero, prossegue prestando serviços ao povo de Deus. Rezemos para que a Amazônia possa ser cada vez mais um berço de vocações religiosas, ordenadas e missionárias, que assumem o seu compromisso batismal, intrínseco e essencial de cada cristão. Paz e bem!

 

Texto e Fotos: Pastoral da Comunicação da Paróquia Sant’Ana 

repamcelebra

REPAM-Brasil E CNBB celebram o dia da Amazônia 2021

Abrindo as comemorações do dia da Amazônia, oficialmente lembrado no dia 5 de setembro, entidades eclesiais celebraram na manhã desta sexta-feira, 3 de setembro. A comemoração aconteceu às 10h no horário de Brasília, integrantes da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se encontraram para celebrar o dia da Amazônia, logo após uma celebração eucarística presidida por Dom Joel Portella Amado, que aconteceu na capela Nossa Senhora Aparecida, na sede da CNBB. Um plantio de mudas de Ipê foi realizado nos jardins da CNBB e no Centro Cultural Missionário (CCM), ponto da sede executiva da Repam. Toda a celebração foi transmitida pelas redes sociais.

Cantando a vida e missão no chão amazônico as pessoas foram se reunindo para dar início a celebração. O sentido dessa celebração, bem explicitado nos ritos iniciais, se insere no compromisso de bendizer a Deus e lutar pela Amazônia. Seguindo as marcas da caminhada sinodal se recebe o convite de seguindo na força do evangelho amazonizar os corações. Dom Joel Portella, enfatizou que a memória de São Gregório Magno, que no século VI soube bem encarnar a Boa Nova no seu tempo e dar sabias, firmes e corajosas respostas pastorais. No dia da Amazônia, que originalmente é uma data civil temos a chance de festejar com os povos que colocam diante do altar suas alegrias e lutas.

Na sua fala, o presidente da Liturgia ressaltou que a atitude de contemplar agradecendo é suscitada e assumida naturalmente diante de um bioma rico como é a Amazônia. A forte rede de relações ecológicas e sociais nos remetem ao criador e são uma fundamental atitude. Se o Criador nos deu um presente tão repleto de detalhes de amor, perplexos nos questionamos: por que tantos males e degradações? Como pode no “pulmão da humanidade faltar o ar?” questionou o secretário geral da CNBB. A segunda atitude é então a de indagar e perceber. No Evangelho refletido hoje, “sobre vinhos novos e odres velhos”, vemos que a lógica velha de espoliação não consegue reconhecer a vida sempre nova na Amazônia. A Igreja no Brasil tem um bonito caminho de preocupação com o bem da Amazônia, e em sua fala o bispo recordou campanhas, organismos criados e pessoas que deram sua vida em testemunho martirial. Celebrar é questionar afirmou! Assim percebemos, olhando para a Amazônia e para outras partes de mundo, que vinho novo não cabe em odres velhos. O dia da Amazônia é convite para voltarmos para Laudato Si’ e para a Querida Amazônia.

A celebração prosseguiu com a liturgia eucarística. Os cantos que embalaram a celebração vieram da realidade e de autores amazônicos. Após a bênção o Ipê, como sinal de vida no meio da seca, a corda e imagem de Nossa Senhora de Nazaré evocaram a piedade popular amazônica. O animador da celebração recordou ainda que a celebração se deu dentro do tempo da Criação, conclamado pelo Papa Francisco. E partindo da mesa da palavra e da ceia do Senhor os participantes seguiram para o local do plantio dos pés de Ipê.

Fábio Vasconcelos

Confira a matéria sobre a celebração publicada no site da REPAM-Brasil:

Missa e plantio de ipês marcam celebração do Dia da Amazônia na REPAM-Brasil e CNBB